As mulheres na NFL

Não é novidade para ninguém que o primeiro jogo de futebol americano ocorreu em 1869 entre Princeton e Rutgers. Também não é novidade que o Super Bowl é extremamente popular tendo só nos Estados Unidos um público de mais de 100 milhões de expectadores. O que intriga é que 148 anos depois do primeiro jogo […]

Não é novidade para ninguém que o primeiro jogo de futebol americano ocorreu em 1869 entre Princeton e Rutgers. Também não é novidade que o Super Bowl é extremamente popular tendo só nos Estados Unidos um público de mais de 100 milhões de expectadores. O que intriga é que 148 anos depois do primeiro jogo e 97 anos depois da fundação da National Football League –  NFL, a presença de mulheres na liga profissional americana continua sendo rara.

 

Mulheres na NFL: no mundo corporativo

Dados apontam que 30% dos funcionários do escritório principal da NFL são do sexo feminino.

Neste cenário destaca-se a diretora de marketing da NFL, Dawn Hudson, que assumiu o cargo em 2014 e tem sob sua responsabilidade o Super Bowl e tudo o que envolve marketing e a publicidade da marca.

Atualmente ela é considerada uma das 30 mulheres mais poderosas do esporte.

Dawn Hudson: Diretora de Marketing da NFL

 

Mulheres na NFL: na arbitragem

Fora do ambiente corporativo a presença de mulheres é restrita. Na arbitragem temos Sarah Thomas que, em 2015, foi a primeira mulher a fazer parte da equipe de arbitragem da NFL. Antes dela Shannon Eastin foi juíza de linha durante um período de greve dos árbitros no ano de 2012.

Sarah Thomas: primeira árbitra da NFL

 

Mulheres na NFL: nas comissões técnicas

Na comissão técnica, destaca-se Jen Welter que em 2014 foi contratada pelo Arizona Cardinals para atuar como técnica dos linebackers durante a pré temporada auxiliando os coachs Bob Sanders e Larry Foote.

Jen Welter

A convocação de Jen Welter não está ligada a sua beleza e feminilidade mas a sua capacidade técnica. Ela é mestre em psicologia do esporte e doutora em psicologia e jogou como running back no Indoor Football League se tornando a primeira mulher a jogar futebol americano numa liga profissional masculina.

No entanto, a primeira mulher a se tornar treinadora em tempo integral na NFL foi Kathryn Smith. Seu percurso no esporte vem desde a época da faculdade. Desde 2003 ela já havia atuado como assistente administrativa e assistente pessoal de jogadores no New York Jets. Em 2015 ela iniciou suas atividades como assistente administrativa no Buffalo Bills e em 2016 passou atuar como treinadora junto aos Times de Especialistas (Special Teams).

Kathryn Smith: treinadora do Buffalo Bills

 

Atualmente, vemos cada vez mais mulheres exercendo diversas funções no futebol americano, seja na NFL ou nas ligas e times ao redor do mundo.

As habilidades femininas são inquestionáveis. As mulheres são comunicativas, observadoras, sensíveis e sabem analisar uma situação sob vários aspectos.

No entanto, o que falta para que as mulheres conquistarem definitivamente seu espaço no Futebol Americano? Creio que a vivência de campo será um fator importante e decisivo. Unir as características da mulher com a experiência, conhecimento e um olhar focado vai abrir as portas para firmar as mulheres como excelentes técnicas, árbitras e jogadoras.

 

Deixe um Comentário

Name *
Email *
Website
Comentarios *

Related Post

Sobre

O melhor conteúdo de futebol americano para amantes do esporte como nós ;)
Fique por dentro do que rola no FA no Brasil e no mundo com o Portal do FA.

Contato

Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, 3847, Mossungue
Curitiba – Paraná - Brasil
UP